O Projeto ÍRIS, financiado pelo POISE no âmbito do Aviso Nº36-201907, linha 3.16 – Apoio financeiro e técnico organizações da sociedade civil sem fins lucrativos, visa caracterizar as trajetórias de vida de pessoas LGBTI vítimas de violência doméstica com o objetivo geral de descrever e compreender as especificidades dos seus percursos desenvolvimentais e de vitimação e os respetivos impactos a nível pessoal, familiar e social

  • Caracterizar as diferentes fases do ciclo vital das vítimas, da infância à idade adulta, analisando a sua perceção sobre as relações familiares, interpessoais e sociais, sobre a integração escolar, profissional e social, sobre a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida, sobre a exposição a situações de vitimação e/ou discriminação em contexto familiar, escolar, profissional e social e sobre a rede social de apoio;
  • Analisar o impacto da orientação sexual, identidade e/ou expressão de género nas vivências subjacentes a cada uma das fases do ciclo vital e o seu potencial entrecruzamento com questões étnicas, de nacionalidade, de estatuto socioeconómico, de idade, entre outros fatores;
  • Descrever as tipologias, as características, as dinâmicas e os efeitos da violência doméstica sofrida;
  • Aferir as necessidades associadas à exposição a situações de vitimação e/ou discriminação em função da orientação sexual, identidade e/ou expressão de género;
  • Refletir sobre as potencialidades e os constrangimentos do sistema de proteção às vítimas de violência doméstica LGBTI;
  • Identificar e sistematizar boas práticas de avaliação e de intervenção com vítimas de violência doméstica LGBTI.

A caracterização das trajetórias de vida das vítimas será feita a partir das suas perspetivas pessoais, bem como a partir das perspetivas dos/as profissionais que com elas intervêm e dos membros dos coletivos e associações LGBTI que com elas contactam.

O logo do Projeto ÍRIS é da autoria de Marta Correia e Mafalda Ferreira.

O Projeto ÍRIS, financiado pelo POISE no âmbito do Aviso Nº36-201907, linha 3.16 – Apoio financeiro e técnico organizações da sociedade civil sem fins lucrativos, visa caracterizar as trajetórias de vida de pessoas LGBTI vítimas de violência doméstica com o objetivo geral de descrever e compreender as especificidades dos seus percursos desenvolvimentais e de vitimação e os respetivos impactos a nível pessoal, familiar e social

  • Caracterizar as diferentes fases do ciclo vital das vítimas, da infância à idade adulta, analisando a sua perceção sobre as relações familiares, interpessoais e sociais, sobre a integração escolar, profissional e social, sobre a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida, sobre a exposição a situações de vitimação e/ou discriminação em contexto familiar, escolar, profissional e social e sobre a rede social de apoio;
  • Analisar o impacto da orientação sexual, identidade e/ou expressão de género nas vivências subjacentes a cada uma das fases do ciclo vital e o seu potencial entrecruzamento com questões étnicas, de nacionalidade, de estatuto socioeconómico, de idade, entre outros fatores;
  • Descrever as tipologias, as características, as dinâmicas e os efeitos da violência doméstica sofrida;
  • Aferir as necessidades associadas à exposição a situações de vitimação e/ou discriminação em função da orientação sexual, identidade e/ou expressão de género;
  • Refletir sobre as potencialidades e os constrangimentos do sistema de proteção às vítimas de violência doméstica LGBTI;
  • Identificar e sistematizar boas práticas de avaliação e de intervenção com vítimas de violência doméstica LGBTI.

A caracterização das trajetórias de vida das vítimas será feita a partir das suas perspetivas pessoais, bem como a partir das perspetivas dos/as profissionais que com elas intervêm e dos membros dos coletivos e associações LGBTI que com elas contactam.

O logo do Projeto ÍRIS é da autoria de Marta Correia e Mafalda Ferreira.